Walmor Chagas: depressão suicídio alerta na velhice

poradmin

Walmor Chagas: depressão suicídio alerta na velhice

Walmor Chagas estrelou estrelou novelas como “Os Mutantes”, “Selva de Pedra” e “Salsa e Merengue”. O suicídio do ator, diretor e produtor Walmor Chagas, no dia 18 de janeiro 2013 (82 anos) trouxe à tona um assunto espinhoso, mas de suma importância: a depressão na terceira idade.

Aos 82 anos, Walmor vivia praticamente isolado em um sítio no interior de São Paulo.

Walmor Chagas era viúvo da atriz Cacilda Becker, com quem viveu durante treze anos – até a morte dela, em 1969. A união teve início em 1956, durante os ensaios de Gata em Teto de Zinco Quente, de Tennessee Williams, sob a direção de Maurice Vaneau. O casal tinha uma filha, adotada em 1964, a cantora Maria Clara Becker Chagas, conhecida como Clara Becker.

Enxergava mal, tinha dificuldades para andar, se alimentava pouco e contava frequentemente com a ajuda de empregados para executar tarefas cotidianas. Um de seus amigos disse à imprensa que o artista teria comentado que desejaria partir, caso se tornasse uma pessoa dependente.

Walmor foi encontrado morto por um funcionário da pousada “Sete Nascentes”, de sua propriedade, no bairro Gomeral, em Guaratinguetá, interior de São Paulo.

Segundo a Polícia Civil, a morte ocorreu entre 15 horas e 30 minutos e 18 horas. O ator morreu com um tiro na cabeça disparado por um revólver calibre 38.Segundo as informações do delegado titular do 2º Distrito Policial de Guaratinguetá, Antonio Luiz Marcelino, que conduziu as investigações, o corpo foi encontrado em um dos cômodos da pousada sentado em uma cadeira, com a arma no colo e ambas as mãos sobre ela. O laudo dos exames periciais realizados no local da morte e no cadáver atestou o suicídio, ao encontrar vestígios de pólvora em uma de suas mãos.

Sendo o suicídio um ato solitário ou de publicidade do desespero como escreveu Fernando Sabido, será sempre chocante porque contraria o instinto maior da preservação vida.

As limitações típicas da velhice são o principal detonador dos casos de depressão entre idosos, conforme pesquisas da psicóloga Denise Pará Diniz, coordenadora do Setor de Gerenciamento de Estresse e Qualidade de Vida da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). “O sistema imunológico, a visão e a capacidade motora e de locomoção ficam comprometidos. Em alguns casos, a pessoa requer auxílio até para fazer a própria higiene. É uma fase de difícil aceitação, e há quem jamais a aceite”, afirma a especialista.

Outros fatores que devem ser levados em consideração são o isolamento social e o sentimento de inutilidade, em geral decorrentes da ausência do mercado de trabalho.

“Hoje em dia, a maioria das famílias não tem tempo ou estrutura para cuidar dos idosos. Todos têm de trabalhar e os deixam sós. A solidão, a falta de dinheiro e a dependência entristecem”, explica Sônia Fuentes, psicóloga com especialização em geriatria e mestre em Gerontologia pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). “E mesmo em circunstâncias em que as condições monetárias são boas, há casos em que a depressão e as limitações os atrapalham, impedindo-os de fazer suas escolhas e tornando-os apáticos demais”.

A perda de parceiros e amigos de toda uma vida pode contribuir para o surgimento da depressão. “Quando morre alguém querido, morre também uma parte sua. Para um idoso isso é ainda mais grave, porque ele sabe que foi embora um pedaço de sua vida que nunca mais vai poder viver de novo”, declara Denise Diniz.

De acordo com o cardiologista Thiago Marchini Naves, diretor-administrativo da Casa Vita – Moradia Assistida para Idosos, em São Paulo, a depressão ainda costuma surgir associada a doenças de grande incidência na terceira idade, como pressão alta, diabetes, infarto, artrose, derrame e câncer. Certos remédios também podem provocar quadros depressivos.

Sinais de alerta

Boa parte dos sintomas é a mesma dos casos de depressão em qualquer faixa etária: distúrbios do sono e do apetite, fadiga, tristeza, choro, dificuldade de concentração e memória falha. O que define a doença é a intensidade e a frequência desses sinais. Mas os idosos, de acordo com a psicóloga Denise Diniz, costumam se entregar com mais facilidade.

“Os idosos têm sentimentos de culpa e inutilidade. Dificilmente vão falar abertamente que querem morrer, porém começam a usar frases como ‘Seria melhor seu eu desaparecesse’, ‘Não queria dar tanto trabalho’, ‘Velho não serve para nada’ etc. A desesperança revelada por essas palavras é um caminho perigoso rumo ao suicídio”, diz a médica.

Dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) apontam que as taxas de suicídio é maior entre os homens. “As mulheres também sofrem com os problemas típicos da velhice, claro, mas costumam encarar a vida com mais realismo e menos passividade, talvez porque tenham uma noção mais nítida da mortalidade e se cuidem mais, sob os pontos de vista estético e da saúde”, afirma Thiago Naves.

Velhice feliz

A maneira com que cada pessoa investe na qualidade de vida ao longo dos anos tem tudo a ver com o que vai colher na terceira idade, obviamente. Racionalmente, o que você faz hoje repercutirá no futuro, mas nem sempre as coisas saem conforme o planejado. E apesar do aumento da longevidade e dos avanços tecnológicos ninguém pode nem deve contar com a garantia de que chegará aos 90, 100 anos, com saúde e vigor.

Além dos medicamentos específicos e das sessões de psicoterapia, para enfrentar a depressão é preciso coragem, motivação e vontade de se adaptar às necessidades de mais uma fase do desenvolvimento humano. A família e os amigos têm papel fundamental para ajudar o idoso a atravessar a doença, mas ele também tem de encontrar os próprios mecanismos de defesa e procurar se manter ativo.

Seja na companhia de parentes, amigos ou em centros de convivência, é fundamental não descuidar da socialização e cultivar algum hobby. Se existe algum tipo de limitação, vale procurar outras formas de atividade. Quem sempre adorou ler ou escrever, por exemplo, mas agora tem a visão debilitada, pode gravar suas memórias ou narrá-las para alguém.

Lembrar acontecimentos antigos e contar histórias para a nova geração são atitudes importantes, porém, o idoso não deve ficar preso somente ao passado. “Ter objetivos é fundamental para ter disposição e mandar bem longe a impressão de que o tempo está acabando”, diz a psicóloga Denise Diniz.

Fonte: Walmor Chagas: depressão suicídio alerta na velhice

Sobre o Autor

admin administrator