TSE rejeita ações contra Lula e Bolsonaro por campanha antecipada

1 - SAO PAULO - SP - PODER - O ex-presidente Lula participa da abertura da Plen?ria Estatut?ria da CUT nacional.- 28.07.2014. Foto Marlene Bergamo/Folhapress.2 -NATAL, RN, BRASIL, 08.06.17 10h A Folha acompanhou o deputado do Partido Social Cristao Jair Bolsonaro de Brasília a Natal. O deputado foi a capital do Rio Grande do Norte a convite da Uniao Nordestina de Produtores de Cana. (Foto: Marcus Leoni / Folhapress, PODER)O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) julgou nesta terça-feira (5) improcedentes duas representações da Procuradoria-Geral Eleitoral contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e contra o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por suposta campanha eleitoral antecipada.

No caso de Lula, o julgamento foi 4 (pela improcedência da representação) a 3 (pela procedência). No de Bolsonaro, foi 5 a 2.

Em março, a Procuradoria-Geral Eleitoral entrou com representações no TSE pedindo para que eles fossem punidos pela divulgação de vídeos na internet com “menção expressa” a candidaturas para 2018.

De acordo com a Procuradoria, a divulgação dos vídeos “causa desequilíbrio na campanha, além de ferir a igualdade de oportunidade dos candidatos”. As punições pedidas iam do pagamento de multa no valor de R$ 5.000 a R$ 25 mil e a retirada do material da internet.

LULA

O vídeo de Lula mostra o ex-presidente fazendo musculação em uma academia com a canção “Tô Voltando”, interpretada pela cantora Simone, ao fundo. Ao final, surge na tela um “2018”.

O relator do caso de Lula, ministro Admar Gonzaga, votou pela improcedência da representação contra o petista. “Na verdade, a mensagem trata de mera especulação, a qual não se configura propaganda eleitoral extemporânea”, disse Gonzaga. Para ele, não há no vídeo pedido de voto, o que é proibido por lei.

“Eu voto no sentido de julgar improcedente a representação ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral.”

Gonzaga foi seguido pelos ministros Jorge Mussi, Tarcísio Vieira e Rosa Weber. “Totalmente desnecessário o pedido de ‘vote em mim’ para que se entende o pedido de voto. No entanto, a minha sensação foi bem diferente [ao ver a projeção do vídeo na sessão]. Eu não o entendi como um pedido de voto, mas como uma comunicação de que ‘eu estou vivo'”, disse Weber.

Napoleão Maia divergiu e votou pela procedência da representação. Para ele, houve propaganda antecipada. Luiz Fux e o presidente do TSE, Gilmar Mendes, concordaram com Maia.

“‘Tô voltando’, 2018. Não há nenhuma dúvida, a meu ver, em relação a esse propósito [eleitoral]. Não podemos esperar que o pedido explícito de voto se dê no plano do ‘vote em mim’. É importante que nós estabeleçamos balizas. É grande a responsabilidade deste tribunal para não permitir um tipo de vale-tudo [na eleição]”, disse Mendes –que, junto com Maia e Fux, foi vencido.

Fonte: Folha de S.Paulo

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.