Pessimista com Judiciário, Lula planejou todos os passos de sua prisão – 

poradmin

Pessimista com Judiciário, Lula planejou todos os passos de sua prisão – 

lula na prisãoRESUMO Reportagem conta os bastidores dos últimos dias de Lula em liberdade, do julgamento no STF que autorizou sua prisão até os primeiros momentos em Curitiba. Pessimista quanto a suas chances nos tribunais, o ex-presidente pôs em marcha o plano que havia elaborado para fazer de sua detenção uma despedida histórica.

Quando sua prisão foi decretada, Luiz Inácio Lula da Silva estava fechado em uma sala do instituto que leva seu nome, em São Paulo. Conversava com um deputado do PT e com a mulher dele, que queria dar um abraço no ex-presidente. Por um momento desconectados do noticiário, mantinham-se alheios à informação que se espalhava pelo país.

Àquela altura, ainda estavam no local alguns assessores de Lula e três aliados: a ex-presidente Dilma Rousseff, a senadora e presidente do partido, Gleisi Hoffmann (PT-PR), e o ex-governador Cid Gomes (PDT-CE). Concordaram que seria melhor esperar o retorno dos advogados para falar com o petista.

Dentro do imóvel em que comandou as principais articulações políticas da esquerda desde sua saída do governo, em 2010, Lula foi o último a saber que seu destino estava selado.

Ilustração de João Montanaro para capa da Ilustríssima – João Montanaro

Coube a Dilma interromper a conversa amena do petista com o deputado. Ela entrou na sala sem bater e parou em pé ao lado do sofá escuro no qual seu padrinho político se acomodara. Em seguida chegou Gleisi. Não precisaram falar nada. O ex-presidente se levantou e as acompanhou até outro recinto, onde recebeu a notícia da boca de seus defensores.

Embora a prisão do petista fosse um fato anunciado, a maioria supunha que se tornaria realidade apenas uma semana depois. Às pressas, parlamentares e dirigentes do partido foram ao encontro do ex-presidente para pôr em marcha ao menos parte do plano que Lula já havia elaborado para fazer de sua detenção uma despedida histórica.

O roteiro estava pronto, mas ninguém imaginava que precisaria começar a ser executado naquela noite de 5 de abril de 2018, um dia que havia começado com gosto de derrota. O maior revés da história do PT se consolidara pouco menos de 24 horas antes, quando a ministra Rosa Weber, do STF (Supremo Tribunal Federal), proferiu o voto que abriu caminho para a prisão de Lula.

O ex-presidente não externou surpresa com o resultado. Tratando os aliados como ingênuos, disse que só eles tinham esperança de um desfecho diferente. “Eu vou ser preso. E não vão me prender para me soltar em três dias.”

Lula assistiu a pedaços do julgamento no Supremo. Entrava e saía da sala em que seus aliados estavam reunidos no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). Deteve-se por algum tempo somente durante o voto de Luís Roberto Barroso.

Não viu quando Rosa Weber, única incógnita naquela sessão, enfatizou que iria privilegiar a colegialidade. Rui Falcão, ex-presidente do PT, concluiu: “Já era”.

A magistrada decidiu seguir a orientação firmada pela maioria de seus pares em 2016, e não a convicção pessoal que expressara na ocasião, quando foi contrária ao cumprimento da pena a partir de condenação em segunda instância. Com a escolha, fez da prisão de Lula uma questão de tempo.

O PT calculava que o ex-presidente seria encarcerado somente após a rejeição do último recurso a que ele tinha direito contra a decisão tomada em janeiro pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

O veredito, de 12 anos e um mês em regime fechado, diz respeito a apenas um dos seis processos dos quais o petista é alvo. Neste caso, foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro —os juízes entenderam que Lula recebeu um tríplex no Guarujá (SP) da construtora OAS como forma de retribuição a vantagens obtidas pela empresa em contratos com a Petrobras.

IMAGEM

O dia seguinte ao do julgamento foi tomado por reuniões no Instituto Lula. A maior parte dos aliados do petista saiu de lá por volta de 17h a fim de iniciar os preparativos para os atos que marcariam seus últimos momentos de liberdade.

Não deu tempo. Às 17h50, num lance inesperado, o juiz federal Sergio Moro decretou a prisão; Lula seria o primeiro ex-presidente detido por crime comum.

Todos que haviam deixado o instituto voltaram correndo para executar um plano que mirava sobretudo a história.

estêncil com rosto de lula
Poster com estêncil com rosto de Lula é erguido durante protesto em Lisboa – Armando Franca/Associated Press

Nos dias que antecederam a decretação da prisão, Lula ouviu uma série de sugestões. Houve desde apelos para se asilar em embaixadas de países simpáticos a sua causa até a proposta de sair de cena após um grande ato em Garanhuns (PE), sua cidade natal, rodeado por nordestinos.

O ex-presidente ignorou os mais radicais, como fez ao longo de toda sua vida. Decidiu que, após a ordem de prisão, se acantonaria no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, entidade que comandou nos anos 1970 e que o projetou como personagem da política nacional. Transformaria o local num bunker cercado por militantes de diversos partidos, bem como de movimentos sociais e sindicais.

Sua principal preocupação era com a imagem daquele momento. Queria deixar para a posteridade a sensação de que estavam levando para a cadeia o maior líder popular da história recente do país.

O PT, entretanto, não conseguiu dar a Lula o cenário que ele desejava. Surpreendido pela rapidez de Moro —o juiz expediu a ordem de prisão menos de 18 horas após o julgamento do Supremo—, o partido não pôde arregimentar militantes de outros estados.

Ainda assim, o petista saiu do instituto e partiu para São Bernardo do Campo. Todos os homens do ex-presidente pareciam atordoados. Sem saber o que fazer diante do inevitável, concordavam em um único ponto: era preciso levar Lula para o Sindicato dos Metalúrgicos.

Aliados seguiram em comitiva, disparando convocações pelo telefone e pelas redes sociais. Não havia tempo a perder.

A chegada de Lula ao prédio no ABC paulista foi televisionada. Um helicóptero da TV Globo seguiu o comboio do ex-presidente por todo o trajeto. A cobertura exaustiva da imprensa fez redobrar a disposição do PT de não ceder à Lava Jato a imagem de um Lula cercado por policiais, cabisbaixo e isolado de seus apoiadores.

IMPASSE

Políticos e líderes de movimentos sociais não se entendiam sobre o que deveria ser feito a partir daquele momento.

Gleisi defendia veementemente que Lula e o Partidos dos Trabalhadores resistissem à ordem de prisão. Era acompanhada pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ) e por Guilherme Boulos (PSOL), dirigente do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto). Os três afirmavam que, se o ex-presidente não quisesse se entregar, a militância acamparia em frente ao prédio e não deixaria que agentes da Polícia Federal chegassem até ele.

Nem todos pensavam dessa forma. A sede do sindicato, tomada por dezenas de aliados de Lula, tornou-se palco de uma série de reuniões desconectadas que, cada uma a seu modo, discutia o futuro do ex-presidente.

Na manhã do dia seguinte, sexta-feira (6), diante do bate-cabeça generalizado, José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça de Dilma, interrompeu um debate da cúpula do PT, numa tentativa de trazer o partido para o plano da realidade.

Ele não havia sido convocado. Conhecido desafeto de Lula desde o final da década de 1990, foi ao local mesmo sem convite. Advogado de perfil moderado e trânsito entre diversos partidos políticos, ainda mantém contatos na Polícia Federal, órgão que era vinculado à pasta da Justiça durante sua gestão.

Estabeleceu canal direto com Raul Jungmann (Segurança Pública), a quem a corporação se subordina hoje. Quando o presidente Michel Temer soube do mandado de prisão contra Lula, pediu ao ministro que, no que fosse possível, ajudasse o ex-presidente a preservar sua imagem.

Na conversa com dirigentes petistas, Cardozo sustentou, de maneira enfática, que a resistência em cumprir a ordem judicial poderia ter graves implicações para Lula, que responde a outros três processos penais só na jurisdição de Moro.

O ex-ministro da Justiça afirmou que o juiz poderia decretar uma prisão preventiva para cada ação de que o petista é alvo. Se isso acontecesse, a soltura de Lula não seria somente improvável, mas quase impossível.

Fazendo coro com Cardozo, o deputado Wadih Damous (PT-RJ), ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OAB-RJ), falava com um grande time de advogados que também estava no sindicato, em reunião paralela: “É preciso entender o que é preventiva em Curitiba. Preventiva é prisão perpétua”.

Na outra ponta, porém, Gleisi e Lindbergh permaneciam irredutíveis. Cardozo não é visto como um quadro orgânico do PT. E o consenso precisava vir da base do partido.

Tesoureiro da sigla, Emidio de Souza formou um pequeno grupo. “Nunca vi alguém com ordem de prisão e em lugar conhecido ficar solto”, ponderou. A ele juntaram-se Rui Falcão, Paulo Okamotto (presidente do Instituto Lula), Paulo Vannuchi (ex-ministro de Direitos Humanos da era petista) e Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo.

Enquanto isso, Lula, que transitava entre uma sala e outra, parou numa janela do segundo andar da sede do sindicato e observou o movimento. Em tom de reclamação, comentou que havia pouca gente do lado de fora.

Um dirigente do PT contemporizou. Avisou que cerca de 40 ônibus estavam a caminho. O acréscimo não animou o ex-presidente —40 ônibus não são nem 2.000 pessoas. Ele sempre fora cético quanto à previsão de que sua prisão causaria enorme comoção popular.

Repetia um pensamento que se tornou ideia fixa após ler a biografia de Getúlio Vargas, escrita pelo jornalista Lira Neto. “Se a quantidade de gente que estava no funeral de Getúlio o tivesse apoiado quando precisou, ele não teria se matado.”

NEGOCIAÇÕES

Após as reuniões com advogados e com a cúpula do PT, Gleisi e Lindbergh estavam vencidos pelos argumentos jurídicos e relativamente conformados. Lula então abriu nova conversa, desta vez com líderes não só do PT mas também de siglas aliadas e dirigentes de movimentos sociais e sindicais. Buscava o consenso progressivo ao qual submete suas decisões desde os tempos das greves na década de 1970.

Era preciso indicar primeiro aos coordenadores, e depois às bases militantes, que a rendição à PF não representaria uma derrota.

Manuela D’Ávila (PC do B) e João Pedro Stédile (MST) logo concordaram. Não muito mais tarde, Boulos também cedeu. Pouco depois das 14h, Lula autorizou o início das negociações para sua prisão.

Escalou nomes de sua estrita confiança para ir à sede da PF em São Paulo. Primeiro escolhido, Wadih Damous disse que não iria sozinho. “Sig vai comigo”, pediu, em referência ao amigo e também advogado de Lula, Sigmaringa Seixas. A eles somou-se Emidio de Souza. Lula considerou necessário que um dirigente do PT acompanhasse de perto as tratativas com o chefe da PF paulista.

Os três chegaram à sala do delegado Disney Rosseti pouco antes das 17h de sexta, quando expiraria o prazo para que o ex-presidente se entregasse. Já sabendo que ele descumpriria o horário estipulado por Moro, levaram uma lista com cinco reivindicações.

Primeiro, o petista queria participar de uma missa às 9h30 de sábado (7) em homenagem ao aniversário de 68 anos de sua mulher, Marisa Letícia, morta no ano passado.

Depois, queria se entregar perto do sindicato, mas em local neutro, para evitar confronto com a militância —a PF, de sua parte, dizia ser muito perigoso entrar no prédio.

Em terceiro lugar, demandava-se que não houvesse a presença de jornalistas nos momentos críticos. Cogitou-se inclusive realizar o embarque para a capital paranaense a partir do Campo de Marte, despistando a imprensa, mas o atraso frustrou esse plano.

Além disso, Lula pretendia evitar uma foto sua cercado por policiais ou dentro de veículo com a logomarca da PF. O pedido se estendia às aeronaves que fariam o transporte do ex-presidente. Por esse motivo, ele acabou decolando em um monomotor branco.

O avião foi aceito por ser considerado um dos mais seguros de sua categoria. Um petista recebeu a informação de que se tratava do único monomotor em que um presidente dos Estados Unidos estava autorizado a voar.

O quinto e último pedido acabou negado por Rosseti. Lula reivindicava a possibilidade de passar em casa de sexta (6) para sábado (7). Desejava tomar um banho no apartamento e dormir em sua cama. O delegado entendeu que, se o petista saísse de onde estava, com um mandado expedido, poderia ser abordado e preso por qualquer força policial.

Por volta das 21h, o ex-presidente reuniu a cúpula do PT para avisar que a negociação com a PF havia se tornado fato consumado. Relatou a boa vontade dos policiais, que aceitaram quase todos os seus termos.

Alguns petistas ainda resistiam à ideia. Quem participou das conversas diz que intervenções feitas por Dilma foram decisivas para aplacar qualquer tentativa de incendiar a militância. A ex-presidente repetiu diversas vezes que o PT precisava escolher o seu lado na história.

“Quem faz ilegalidade, quem faz arbitrariedade, quem faz violência são eles”, disse Dilma. “Nós que reivindicamos a democracia não podemos entrar nessa.”

A PRISÃO

No dia em que o prenderiam, Lula levantou cedo já sabendo como pretendia se entregar à PF. Dormiu num colchão no Sindicato dos Metalúrgicos, numa sala improvisada para recebê-lo, e tomou banho num vestiário do local. Disse ter acordado com boa disposição, embora tenha comentado com aliados que o barulho do lado de fora perturbou seu sono.

Durante o café da manhã, Boulos insistiu pela última vez na resistência. Ressaltou que MTST, MST, sindicatos e PT estavam dispostos a tudo para manter a polícia longe do petista. Mas o ex-presidente já havia fechado posição. Privilegiaria a racionalidade dos advogados.

Pouco depois, já claramente irritado e inquieto, Lula começou a colher sugestões para montar seu último discurso antes do cárcere.

Decidiu entrelaçar os momentos mais marcantes de sua trajetória, como a greve que liderou em 1980, com referências veladas a grandes líderes. Um deles foi Martin Luther King e seu célebre “Eu tenho um sonho”, de 1963. Lula disse: “Eu, há muito tempo atrás, sonhei que era possível governar esse país envolvendo milhões e milhões de pessoas pobres na economia. (…) Eu sonhei que era possível um metalúrgico sem diploma de universidade cuidar mais da educação do que os diplomados”.

Lula também bebeu na carta-testamento de Getúlio Vargas para imprimir tom messiânico ao seu discurso. O “pai dos pobres” escreveu em 1954: “Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação para que eu não continue a defender, como sempre defendi, o povo e principalmente os humildes. (…) Meu sacrifício vos manterá unido e meu nome será vossa bandeira de luta”.

O petista, por sua vez, exclamou: “Não adianta tentar acabar com as minhas ideias, elas já estão pairando no ar e não tem como prendê-las. Não adianta tentar parar os meus sonhos porque, quando eu parar de sonhar, eu sonharei pela cabeça de vocês”.

Ainda durante a missa em homenagem a Marisa Letícia, um emissário do ex-presidente deixou o sindicato rumo à PF. Emidio de Souza foi o escolhido para, de dentro da superintendência, fazer a conexão entre policiais e petistas para que Lula se entregasse.

Mais tarde, num desabafo, disse a um amigo que, ali, partiu para a missão mais difícil de sua vida.

Lula encerrou o discurso e voltou ao sindicato nos braços da militância. A caminhada proporcionou a cena de despedida que o PT tanto queria: uma fotografia aérea em que o ex-presidente aparece ao centro, rodeado por uma multidão toda voltada para ele.

lula e militantes
Luiz Inácio Lula da Silva caminha em meio a apoiadores em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos – Francisco Proner/Reuters

O petista fechou-se em uma sala para almoçar com seus filhos, seus genros e suas noras, seus netos e sua bisneta. O prato era feijoada. Na porta, uma folha de papel sulfite: “Reunião presidente Lula com familiares”. Nenhum político entrou.

De acordo com o plano acertado com a PF, Lula deveria sair até 16h30. O ex-presidente precisava deixar o sindicato de carro para embarcar em uma viatura descaracterizada nas cercanias.

Com a cobertura da imprensa em tempo real, o anúncio de que a hora da rendição estava chegando fez com que pessoas que haviam assistido à missa de manhã voltassem ao local à tarde. Um grupo impediu a abertura dos portões do sindicato.

Um assessor do PT resumiu: Lula havia decidido se entregar, mas a militância havia decidido que não entregaria Lula.

TENSÃO FINAL

bloqueio humano que impediu a saída do ex-presidente irritou o comando da PF, que ameaçou interromper as tratativas para que ele se apresentasse em São Paulo, e não em Curitiba. “Vocês vão ter que entregar ele lá”, repetiam os policiais.

O ministro Raul Jungmann —que, em caráter excepcional, vinha trocando telefonemas com Moro para deixar o juiz a par das negociações— avisou que, se o petista não se apresentasse até as 19h, a polícia invadiria o prédio.

Às 18h45, sem sinal de arrefecimento da militância, Lula decidiu deixar o sindicato a pé. Um cordão humano foi organizado só com apoiadores do ex-presidente. Aos trancos, ele cruzou o espaço que separava seu bunker de um galpão da TVT (TV dos Trabalhadores), em terreno anexo, ao lado da Escola Sindical Celso Daniel.

Emidio, que havia se deslocado até o local em uma viatura da PF, recepcionou Lula do outro lado do portão. “Tenha força, tenha calma. Quando você chegar, nós já estaremos lá [em Curitiba].”

A direção do PT fretou um avião para voar de São Paulo à capital paranaense. Cumpriu a promessa de desembarcar um pouco antes de Lula, mas só os advogados do petista puderam falar com ele.

Em sua primeira noite no cárcere, Lula, exausto, dormiu longamente, segundo relato de aliados. O isolamento a que o ex-presidente está submetido é o que mais preocupa o PT e sua família.

Nos últimos 40 anos, ele sempre esteve cercado de gente. Quando Marisa Letícia morreu, petistas chegaram a sugerir que Gilberto Carvalho, um dos homens mais próximos de Lula, fosse morar com ele em São Bernardo, para não deixá-lo sozinho.

Apesar do receio de que Lula entre em depressão, um auxiliar aposta na resiliência do líder do PT. Lembra que, em fevereiro de 2012, quando passava pela fase mais aguda da radioterapia a que se submeteu para vencer um câncer na garganta, o ex-presidente, por imposição da mulher, ficou impedido de falar e passou uma semana de cama sem receber visitas.

O petista se refugiou na leitura. No hospital, leu “Roosevelt e Hopkins, uma História da Segunda Guerra Mundial”, de Robert E. Sherwood, e a biografia de Noel Rosa, de João Máximo e Carlos Didier. A trilogia que narra a vida e a morte de Getúlio Vargas foi a mania seguinte.

Quando soube que Lula havia gostado do primeiro livro, Lira Neto enviou a ele as provas dos outros dois volumes da obra que influenciou de maneira definitiva a forma como o petista interpretou o ocaso do líder populista.

Antes de deixar o sindicato, Lula despediu-se dos companheiros em pequenos grupos. Teve conversas reservadas com Fernando Haddad, possível herdeiro político, com Gleisi, que transformou em sua porta-voz, e com Luiz Marinho, o ex-prefeito de São Bernardo que tem percorrido gabinetes de ministros do STF na tentativa de convencê-los a libertar o ex-presidente.

Lula deixou claro que, em qualquer situação, ainda está disposto a ser o senhor de seu próprio destino —e do destino do partido que criou.

.

Fonte: Pessimista com Judiciário, Lula planejou todos os passos de sua prisão – 15/04/2018 – Ilustríssima – Folha

Sobre o Autor

admin administrator